NOTÍCIAS
14/02/2014 10:00 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

As 20 estradas mais perigosas do Brasil

Wikimedia Commons

Os paulistas costumam dizer que a BR-116 - conhecida como Régis Bittencourt, na parte mais movimentada - é a “Rodovia da Morte”. Os mineiros, por sua vez, dão este nome à BR-381. Os fluminenses, vez por outra, dizem que rodovia da morte mesmo é a BR-101 no território do Rio de Janeiro.

Ninguém está errado: entre as rodovias federais, as três estão entre as que mais registraram mortes em 2012, segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

Como as três, outras 17 rodovias atingiram mais de 100 óbitos no ano passado, considerando a extensão delas dentro de cada estado.

Embora não se analise aqui os motivos que tornam cada uma delas perigosa, não há muitos segredos, segundo a PRF: as estradas que matam mais são mais movimentadas e passam por trechos urbanos. Grande parte das vítimas são atropeladas.

Mas ingestão de álcool por parte de motoristas, imprudência, pistas com curvas perigosas, além de malconservadas e projetos ruins também estão entre os responsáveis pelas mais de 8,4 mil vítimas nas estradas federais em 2012.

Por ano no Brasil, mais de 42 mil pessoas perdem a vida no trânsito. Nesta conta, estão também os acidentes urbanos e ocorridos em rodovias estaduais.

Levantamento feito por EXAME.com com os dados da PRF mostra ainda o quão letal essas pistas realmente são considerando sua extensão em cada estado, de acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

Por exemplo, embora a BR-381 em MG mate mais que a BR-116 em SP, ela é também mais extensa: por isso, uma pessoa morreu a cada 3,5 quilômetros de suas pistas em 2012. Já na Régis Bittencourt, houve uma vítima a cada 2,2 quilômetros.

As estradas que mais matam no Brasil