NOTÍCIAS
12/02/2014 18:39 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

Matéria do G1 sobre envolvimento de Marcelo Freixo com manifestante vira meme nas redes sociais

Reprodução

Uma onda de comoção digna de período eleitoral. No Twitter, mais de 3.700 menções em apenas um dia. No Facebook, mais de 21 mil curtidas em menos de 24 horas (e contando...).

Milhares de internautas estão usando a hashtag #ligaçãoComFreixo no Twitter para debochar de uma matéria publicada pelo G1 no último domingo (9). A notícia sobre o suposto envolvimento do deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) com um dos responsáveis pela morte do cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes virou assunto nas redes sociais pelo título, digamos, confuso:

página g1

No Facebook, o tema viraliza em velocidade impressionante. A página satírica “Eu tenho ligação com Marcelo Freixo”, criada na madrugada desta quarta-feira (12), já alcança mais de 20 mil curtidas com brincadeiras inspiradas na matéria do G1. O advogado Caio Almendra, do Rio de Janeiro, criador da página, conta que a compartilhou com alguns amigos durante a madrugada, e que poucas horas depois, ela já contava com 600 likes.

“Até agora, não se comprovou a realização de nenhum crime pelo Freixo. Aliás, nem se chegou perto disso. O que existe é o termo ligação, que serve para o amigo do vizinho do cunhado do cachorro”, ironiza Caio, em entrevista por Facebook para o Brasil Post. Ele afirma ainda que “só com humor podemos mostrar o quão risível e ridícula foi a reportagem”.

Veja alguns dos memes mais engraçados da página:

Os melhores memes "ligações Marcelo Freixo"

Editorializando

O deputado Marcelo Freixo esteve no meio de mais uma polêmica nesta quarta-feira (12). Um editorial do jornal O Globo destaca a atuação de grupos autoritários nas manifestações de rua e afirma que membros do gabinete de Freixo têm relação com vândalos: “O crime [a morte do cinegrafista Santiago Andrade] jogou luz sobre a inaceitável atuação do gabinete do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) em defesa de vândalos. Ele e partido precisam explicar a função dupla de Thiago de Souza Melo, assessor do deputado, pago, portanto, pelo contribuinte, e, ao mesmo tempo, advogado de black-bloc e similares”. O editorial acusa o deputado de “acirrar contradições” ao invés de trabalhar pelo apaziguamento em conflitos sociais e políticos.

Em discurso no plenário da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro esta tarde, o deputado disse que “não vão ser aqueles que nunca foram a favor de um processo democrático que vão me derrubar […] Sempre estive ao lado do Estado democrático de direito. Em nenhum momento apoiei a ditadura, governo autoritário e ação violenta que não faz parte do meu perfil e daquilo que acredito. Ao contrário de outros, que na sua história têm muitos vínculos com inúmeras violências, inclusive de Estado, em um tempo muito curto". Veja o discurso na íntegra:

Em nota, a Executiva Nacional do PSOL também rebateu o editorial do jornal O Globo. A diretoria do partido afirma que apoia de forma irrestrita o direito à livre manifestação e recrimina a postura repressiva do aparato estatal, mas que ao mesmo tempo, não concorda e nem participa de ações efetuadas por pequenos grupos presentes em alguns atos. A entidade termina fazendo uma exigência: “nosso partido exige imediata retratação da TV Globo, para que se desfaça o prejuízo político causado com a mentirosa reportagem; queremos que os culpados pela morte do cinegrafista sejam processados e julgados e não aceitamos a criminalização das manifestações públicas”.

A página do deputado Marcelo Freixo no Facebook, que tem mais de 163 mil seguidores, também está surfando na onda da gozação para responder aos ataques. Os posts da assessoria e do deputado se apropriaram da hashtag #ligaçãoComFreixo e dos conteúdos da página “Eu tenho ligação com Freixo”.

marcelo freixo facebook

*colaboração para o Brasil Post