NOTÍCIAS
11/02/2014 12:31 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

Dez fatos desconhecidos sobre o aniversariante do dia: Irã

ATTA KENARE via Getty Images
Iranian girls take part in a rally in Tehran's Azadi Square (Freedom Square) to mark the 35th anniversary of the Islamic revolution on February 11, 2014. The anniversary of the 1979 revolution that ousted the US-backed shah, comes as Tehran rides the wave of a landmark nuclear deal with major powers. AFP PHOTO/ATTA KENARE (Photo credit should read ATTA KENARE/AFP/Getty Images)

Nesta terça-feira, a República Islâmica do Irã completa 35 anos. Conhecido por políticas retrógradas no âmbito dos direitos humanos e um regime pouco flexível, alguns aspectos do Irã, principalmente os culturais, são esquecidos. Confira alguns aspectos pouco conhecidos sobre o lugar de onde surgiram importantes conceitos filosóficos, matemáticos, literários e culturais que mudaram o mundo.

01. Jeitinho iraniano

O acesso a televisão a cabo e à internet são bastante limitados no Irã por motivos religiosos. O regime proíbe a TV a cabo e impões sérias restrições à internet, mas muitos iranianos dão um jeitinho. É comum instalar “gatos” nos terraços para ver canais de iranianos que são rodados em Los Angeles. Quanto à internet, os usuários iranianos usam redes particulares virtuais (VPNs) para burlar o controle do governo.

iran internet

Jovens iranianos usando internet

02. Etiqueta

A cortesia faz parte da vida diária dos iranianos, uma prática chamada Ta’arof. Faz parte da etiqueta sempre negar ofertas. Se você é convidado a jantar na casa de algum iraniano, a etiqueta indica que você deve reclinar o convite, se um taxista insiste que você não precisa pagar a corrida, o esperado é que você insita até que ele aceite, sempre pedindo desculpas.

03. Casamento temporário

A forma como a lei de sharia é aplicada no Irã permite que muçulmanos casem quantas vezes quiserem e durante o tempo que quiserem - é o chamado “casamento temporário”. A prática, que é permitida também no código civil em forma de emenda à lei, é uma forma de permitir que os homens possam ter quantas mulheres quiserem. Sexo fora do casamento é um crime no Irã que pode ser punido com a partir de 100 chibatadas até morte por apedrejamento. No entanto, homens podem casar com mulheres por tempo determinado em um ritual religioso chamado sigheh.

iran tourism

Casal de iranianos tira foto em ilha iraniana

04. Cirurgias de mudança de sexo grátis

Homossexualidade é proibida no Irã, passível de morte como punição. Por outro lado, o regime iraniano determinou em 2012 que os seguros de saúde devem cobrir o custo total de operações de mudança de sexo. O Irã é o segundo país com maior número desse tipo de cirurgia, atrás somente da Tailândia. O número pode chegar a 150.000 transexuais operados, segundo o jornal britânico The Guardian. Isso por causa de um decreto religioso ( “fatwa”) para curar pessoas que nasceram em “corpos errados” e permitir que eles realizem seus deveres religiosos apropriadamente. Ser gay, no entanto, não é considerado natural e é visto como anti-islâmico.

05. Obsessão com beleza feminina

Apesar da exigência de usar o véu islâmico, as iranianas estão cada vez mais obsessivas com beleza. O Irã é o país que mais realiza cirurgias de nariz no mundo - mais de 200.000 mulheres se submetem à rinoplastia anualmente no Irã para ficarem com “rostos de boneca”.

iran election 2013

Mulher caminha por rua de Teerã

06. Muitos jovens, mas alto desemprego

Dos 75 milhões de iranianos, dois terços têm menos de 35 anos, ou seja, a maior parte da população é jovem. Por outro lado, esse grupo sofre muito com o desemprego. A taxa de desemprego de jovens com idades entre 15 e 24 anos é de 26%. No Brasil, a taxa é de 18,4%.

iran woman flag

Jovem iraniana

07. Analfabetismo quase nulo

Desde a revolução islâmica em 1979, a alfabetização quase dobrou no Irã, atingindo a taxa de 95% da população, até mesmo entre as mulheres, marginalizadas no país. O problema é que apenas 62% das mulheres atingiram o nível médio de educação e a participação feminina no mercado de trabalho é de apenas 16%. Já o Brasil, por exemplo, tem quase 13 milhões de analfabetos, ou 8,6% dos jovens, o que coloca o país na 11ª posição na lista de países com mais analfabetos no mundo.

08. Iranianos politizados

Em 2009, milhares de manifestantes saíram às ruas para contestar os resultados das eleições presidenciais que deram a vitória ao conservador Mahmoud Ahmadinejad (contra o moderado Mir Hossei Mousavi, que alegou fraude). Os protestos foram sem precedentes desde a Revolução Islâmica, mas a repressão foi impiedosa e deixou dezenas de mortos e centenas de feridos. Enfim, Ahmadinejad continuou mais quatro anos no poder, mas os protestos, conhecidos como Movimento Verde, foram precursores da Primavera Árabe, que derrubou déspostas no norte da África e no Oriente Médio.

rouhani victory celebrations

Jovens iranianos comemoram resultado de eleição de 2013, que colocou o moderado Hassan Rouhani

09. Cinema de boa qualidade

Diretores iranianos como Abbas Kiarostami e Mohsen Makhmalbaf são aclamados no Ocidente e o filme “A Separação”, de Asghar Farhadi, conquistou o primeiro Oscar do Irã em 2012. O cinema iraniano é conhecido pela sensibilidade e o rígido controle do governo. Diversas vezes o cinema é usado como forma de criticar o regime islâmico, como o longa chamado “Isto não é um filme”, de Jafar Panahi, que está preso e proibido de filmar por 20 anos por desafiar o governo na tela.

asghar farhadi

Asghaar Farhadi conquistou o Oscar em 2012

10. Esportes

Os iranianos adoram esportes, inclusive o futebol. O esqui é muito praticado nas regiões montanhosas do Irã, com estações sofisticadas. O pólo também é bastante tradicional no país.