NOTÍCIAS
10/02/2014 12:46 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

Joaquim Barbosa candidato a presidente? Lula quer que ele 'mostre a cara'

Reprodução/Facebook

As especulações de que o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, vai concorrer à Presidência estão ganhando força e já mobilizam o bunker da campanha à reeleição de Dilma Rousseff. Neste fim de semana, o ex-presidente Lula demonstrou que vê o ministro que ele nomeou para o STF como potencial adversário de sua sucessora. "Se [ele] quer fazer política, entre para um partido… Mostre a cara", disparou Lula em evento do pré-candidato ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, segundo o Estadão.

O coro petista contra Joaquim Barbosa também espelha a crença de que Joaquim Barbosa pode ser um inimigo eleitoral. Considerado o algoz dos mensaleiros, o presidente do Supremo virou alvo de agressões dos militantes do PT, inclusive de deboche do vice-presidente da Câmara, André Vargas (PT-PR).

No STF, também cresce o burburinho sobre a candidatura de Barbosa. Em entrevista à Veja desta semana, o ministro Marco Aurélio Mello revelou que o presidente do STF está "um pouco cansado" da rotina da Justiça. "Por aqui, se ventila muito que ele [Barbosa] estaria para sair para se candidatar", contou Mello. "Que ele seja muito feliz na nova seara."

O prazo para um magistrado se desincompatibilizar do cargo é de seis meses antes do primeiro turno das eleições, que será em 5 de outubro. Assim, Barbosa pode se desligar do Supremo até 5 de abril, filiar-se a um partido e ser o elemento surpresa na disputa que já tem como nomes certos Dilma, Aécio Neves, do PSDB, e Eduardo Campos, do PSB.

Nas ruas e nas redes, Barbosa coleciona fãs. Mais de 70 mil pessoas já curtiram a fan page "Joaquim Barbosa - Presidente 2014". Nos protestos de junho, que sacudiram o País, o presidente do Supremo virou o ícone da revolta dos brasileiros. Segundo o Datafolha, Barbosa era o presidenciável favorito dos manifestantes em 2013.

Oficialmente, porém, o presidente do STF já descartou a candidatura dele. Em entrevista ao jornal O Globo, Barbosa disse que nunca pensou em ter envolvimento com política. "Não tenho laços com qualquer partido político", afirmou em julho do ano passado.

Apesar dessa versão oficial, o ministro do Supremo tem dado "pistas divergentes" sobre seu destino, de acordo com o colunista Otávio Cabral, da Veja. Segundo ele, Barbosa criticou a colega de Judiciário, Eliana Calmon, ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que vai concorrer ao Senado pela Bahia. Ao mesmo tempo, um assessor dele questionou o departamento de pessoal do STF sobre que benefícios Barbosa teria em caso de aposentadoria neste ano. Vai se aposentar para se candidatar?