NOTÍCIAS
09/02/2014 10:34 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

Protestos no Rio: tatuador Fábio Raposo é preso por suspeita de coautoria no disparo do rojão que atingiu cinegrafista

Reprodução/Globo News

O tatuador Fábio Raposo foi preso pela Polícia Civil do Rio de Janeiro no início da manhã deste domingo (9). Ele estava na casa dos pais na zona oeste da cidade.

No sábado, o rapaz de 22 anos já havia sido indiciado como suspeito de ser coautor dos crimes de explosão e tentativa de homicídio qualificado. "Nosso principal objetivo é identificar o elemento que efetivamente deflagrou o artefato que atingiu o Santiago", disse o delegado responsável pelo caso Maurício Luciano de Almeida em entrevista ao G1.

O delegado confirmou ao Globo que Fábio já tem outras duas passagens pela polícia. Todas relacionadas a manifestações.

A defesa de Raposo tenta convencer seu cliente a aceitar a delação premiada, segundo informa a Agência Brasil. Seu advogado, Jonas Tadeu Nunes, disse, na 17ª Delegacia de Polícia de São Cristóvão, que seu cliente "está um pouco relutante" em aderir à proposta. O advogado não confirmou se Fábio conhece ou não o principal suspeito do crime.

Entenda o caso

Na última quinta-feira (6), o cinegrafista da BAND, Santiago Andrade foi ferido na cabeça por um rojão em um protesto contra o aumento das passagens de ônibus.

Após a divulgação de vídeos por várias emissoras de TV, a situação de Fábio se complicou quando ele concedeu um depoimento à Globo confirmando que era ele nas imagens passando o artefato para outra pessoa. No vídeo, por diversas vezes ele afirma que o rojão não é dele e que ele não conhece o autor dos disparos.

Até as 11h00 deste domingo (9), Santiago seguia em coma no hospital. Ele teve afundamento de crânio e estado de saúde ainda era grave.