NOTÍCIAS
06/02/2014 14:57 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

PMDB desiste de entregar ministérios, mas não indicará substitutos na reforma

AFP via Getty Images
Brazilian President Dilma Rousseff waves after the inauguration ceremony of new ministers at Planalto Palace in Brasilia, on February 03, 2014. The new ministers are Aloizio Mercadante of Civilian Household, Henrique Paim of Education, Arthur Chioro of Health and Thomas Traumann as presidency spokesperson. AFP PHOTO/Beto BARATA (Photo credit should read BETO BARATA/AFP/Getty Images)

Após ameaças de rebelião contra o governo federal, o PMDB da Câmara dos Deputados recuou e desistiu, por ora, de entregar os cargos ocupados nos ministérios da Agricultura e do Turismo – comandados por deputados licenciados. Em reunião de quase três horas nesta quarta-feira, a bancada decidiu que os dois parlamentares continuam no comando das pastas. Antônio Andrade (Agricultura) e Gastão Vieira (Turismo) devem sair do primeiro escalão do governo até abril, para disputarem a reeleição no Legislativo em outubro. O partido, no entanto, não indicará os sucessores.

Detentor de cinco ministérios, o PMDB quer mais uma cadeira na Esplanada e está descontente com os rumos da reforma de Dilma Rousseff. A presidente já sinalizou que indicará o presidente do PTB, Benito Gama, para o Turismo – uma forma de acomodar mais um partido e garantir maior tempo de televisão a sua campanha pela reeleição.

Em nota divulgada após a reunião, o PMDB afirma que prefere deixar Dilma “à vontade para contemplar outros partidos em função das suas conveniências políticas e/ou eleitorais”. O apoio à presidente, de acordo com o líder do partido na Câmara, deputado Eduardo Cunha (RJ), está garantido: “O PMDB não quer estar associado a uma pecha de fisiologismo que tem de receber cargos para partilhar a base no governo. A nossa posição é apoiar o governo mesmo sem cargos”, disse o deputado. Apesar do tom amistoso, ele admite que a posição pode ser revista.