NOTÍCIAS
05/02/2014 09:46 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

Sobra de vaquinha de Delúbio vai para Dirceu

ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDO

O excedente da vaquinha para Delúbio Soares, condenado como um dos articuladores do mensalão, vai ajudar o cabeça do esquema, ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu. Considerado "chefe de quadrilha" pelo Ministério Público Federal, Dirceu deverá ser beneficiado com parte dos mais de R$ 500 mil que sobraram das doações ao ex-tesoureiro do PT. Delúbio precisava arcar com uma multa de R$ 467 mil e recebeu, dos internautas, mais de R$ 1 milhão.

Dirceu, cuja multa é de R$ 971 mil, terá que captar mais recursos para completar o valor total da dívida com a sociedade brasileira, decorrente da condenação por corrupção. Mas a tarefa não será difícil, tendo em vista o êxito de Delúbio e também de José Genoino em juntar grana pela web.

O "crowdfunding petista" tem despertado desconfiança da Justiça e da oposição. Nesta terça-feira (4), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes levantou suspeita sobre a origem da grana dos doadores da internet. "Se for um fenômeno de lavagem? Dinheiro de corrupção? Quer dizer, as pessoas são condenadas por corrupção e agora estão festejando com dinheiro?", questionou.

Petistas se revoltaram com as declarações de Mendes. Para o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), não há irregularidades na captação de doações. "É mais do que legítimo que cidadãos possam contribuir para algo que considerem adequado", opinou, acrescentando que foi um dos doadores. "Desafio o ministro Gilmar Mendes a mostrar onde é que existe lei que proíbe isso [doação]".

O PSDB pediu à Procuradoria-Geral da República a investigação sobre essas doações. Para o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), a campanha pela internet é uma "apologia ao crime". Segundo a Folha, o Ministério Público já começou a apurar a origem do dinheiro que foi para os petistas.