NOTÍCIAS
04/02/2014 10:53 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

Hillary lidera pesquisas, mas comete mesmos erros do passado

Win McNamee via Getty Images
WASHINGTON, DC - DECEMBER 06: Former U.S. Secretary of State Hillary Clinton delivers remarks after being presented the 2013 Tom Lantos Human Rights Prize December 6, 2013 in Washington, DC. Clinton received the award for her work in the areas of women's rights and internet freedom. (Photo by Win McNamee/Getty Images)

A ex-secretária de Estado americana Hillary Clinton aparece à frente em uma série de pesquisas que simula uma disputa presidencial em 2016. No entanto, assessores afirmam que ela está cometendo os mesmos erros de 2008, quando competiu (e perdeu) com Barack Obama pela candidatura democrata à presidência.

O governador de Nova Jersey, Chris Christie, está atrás de Hillary após os escândalos envolvendo seu nome. Em janeiro, um escândalo revelado ligava o fechamento de uma ponte à uma assessora de Christie que teria orquestrado a ação para prejudicar uma cidade governada por um democrata.

O mais recente levantamento é da CNN/ORC International foi divulgado na segunda-feira (3) e mostrou o republicano 16 pontos atrás de Clinton. Enquanto a democrata aparece com 55% das intenções de voto, Christie detém 39% do apoio popular.

O levantamento foi realizado entre 31 de janeiro e 2 de fevereiro. A pesquisa entrevistou 1.010 adultos e tem uma margem de erro de mais ou menos 3 pontos porcentuais.

Antes do escândalo, em dezembro, Christie aparecia com 48% das intenções de voto contra 46% de Clinton. Na época, ele era um dos mais cotados para concorrer à presidência em 2016.

Outra pesquisa, realizada pelo Washington Post/ABC News e divulgada na semana passada, sinalizou que Christie é o terceiro mais cotado da legenda para concorrer na corrida presidencial em 2016, atrás de Paul Ryan e do ex-governador da Flórida, Jeb Bush. Além disso, a pesquisa indicou que Clinton o venceria com 53% dos votos contra 41%.

Estratégia - Contudo, conselheiros de alto escalão e antigos assessores de Obama dizem que Hillary está repetindo os mesmos erros que cometeu em 2008, investindo em uma máquina de campanha e não uma mensagem e se direcionando à nomeação democrata com as mesmas vulnerabilidades que custaram sua indicação no passado.

Hillary está investindo energia buscando apoio de organizações democratas para conseguir dinheiro para a campanha. No entanto, segundo assessores, mais uma vez ela está construindo a ideia de inevitabilidade que marcou sua campanha em 2008 e se voltou contra ela depois.

"Mesmo se é um candidato bem conhecido - às vezes ainda mais se for - ativistas, doadores e eleitores gostam de ver os candidatos lutarem por cada voto. Se eles começam a sentir que seu poder e influência diminuem, isso pode ter consequências imprevisíveis - aprendemos essa lição à força durante as primárias em New Hampshire em 2008", disse ao Buzzfeed Ben LaBolt, assessor de imprensa de Obama durante a campanha de 2012.

(Com Estadão Conteúdo)