NOTÍCIAS
20/01/2014 12:48 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

Rebeldes se irritam com convite a Irã e negociação sobre Síria é ameaçada

Khattab Abdulaa/Reuters

Nuvens negras pairam sobre a conferência de paz sobre a Síria, que começa nesta quarta-feira (22) em Genebra. A oposição síria disse nesta segunda-feira (20) que não participará da negociação a não quer que o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, retire o convite feito ao Irã para participar da conversa.

Estados Unidos e Reino Unido afirmaram que a presença do Irã das negociações depende do apoio do país o plano de transição da Síria de 2013, que determina a saída do ditador Bashar Assad do poder. No entanto, o governo iraniano não deixou claro se endossará a saída do ditador. O Irã é o maior aliado internacional do regime de Assad, que anunciou no domingo que deve tentar um terceiro mandato nas eleições de junho. O anúncio pode ser interpretado como uma provocação pelos opositores sírios.

Assad está no poder desde 2000, quando morreu seu pai, Hafez Assad, que dominou a Síria por 30 anos. Em três anos, a guerra civil síria já deixou mais de 100.000 mortos. Dois milhões de sírios deixaram o país e mais de 6,5 milhões foram deslocados.